Eu X Parede

Vou expor aqui mais uma fraqueza… no intuito que vc cuide da sua saúde mental também.

Acúmulo de coisas, ansiedade, privação de sono, trabalho, trabalho, estresse, trabalho, burnout… tive um surto e resolvi descontar na parede. Sim, na parede (nunca machucaria alguém). E nem preciso dizer quem levou a melhor no duelo eu X parede né? Rs

Brincadeiras a parte pensei muito se deveria escrever e expor isso. Não me orgulho nem um pouco, ao contrário, vergonha das grandes na real.

Porém, pra minha surpresa ao médico me perguntar o motivo da minha ilustre visita noturna, morrendo de vergonha, confessei… e ele disse: isso é cada vez mais comum! – Então preciso falar sobre.

Como assim???? Não podemos banalizar isso. Segundo ele, muitos casos aparecem, e cada vez mais. Fica a atenção, pois ele me relatou que muitos dos casos as pessoas dão murro no vidro, janela. Podendo perder a sensibilidade e até mesmo o movimento da mão, pra sempre.

Na ação e reação, fica a dica, que tanto falo para os meus filhos e não consegui colocar em prática dessa vez: “cheira a flor e assopra a vela”.

Para nós adultos: “Respira e não pira”.

Façam terapia. Façam esportes. Relaxem. Desliguem o celular. Tenham fé. Se cuidem.

Fiquem bem. 🙏❤️

A aventura está em todo lugar, mesmo!

A aventura está em todo lugar, mesmo!

Aqui em casa a aventura começa ao acordar. Na verdade antes, a madrugada é sempre animada.

Paiêeeee um grita de uma lado. Num piscar de olhos (que queriam continuar fechados) fui meio que teletransportado para ao lado do berço do figura. No outro quarto num sincronismo de irmãos (meio Bia e Branca) a outra grita mãiêeeeeee. Minha mulher digna de uma medalha de velocista profissional, já está na cama do outro serzinho.

Muito tempo depois, após muita negociação de que o sol está nanando, e que todo mundo também, faz leite no escuro ao mesmo tempo em que o malabarismo de uma mão segura o indivíduo e a outra tenta acertar a porcentagem água/pó, um rolê pela sala, a comprovação de que o trator da obra que se vê da janela também está nanando, voltamos todos para a cama. Ainda são…JÁ SÃO 5h, quase hora de acordar.

Acordar para começar mais um dia de aventuras. Ou seria continuar mais aventuras? Pq ainda tem o café, escovar os dentes, trocar de roupa, escolher a roupa… e o processo de sair de casa? Vixi, esse é digno de um longa metragem. Até cansei de escrever. Rs

Falando em aventura (que link perfeito digno de orgulho por parte do meus profs da faculdade de marketing), a @thenorthfacebr tá com uma promoção maneira: na compra de 1 produto infantil e 1 produto adulto vc ganha 20% de desconto na compra. Se liga que não vale pra outlet e o desconto não é acumulativo. Só até 15/10. 😉

Aventura não é só escalar montanhas e desbravar terras remotas no globo. Cada um tem a sua. É pra todo mundo. Qual a sua aventura?

Curto café da manhã

Curto café da manhã

Sempre tive dificuldades em comer pela manhã, alimentos líquidos geralmente tendem a descer melhor. Por que será? Rs

Tenho dois filhos, isso é importante deixar aqui registrado, pois após a chegada do menor, hoje com 7 meses, no ápice da pandemia, nos sentimos obrigados e com a necessidade de criar uma rotina e um rodizio, já que dormir mais que 3 horas sequenciais virou um sonho.

Sonho, acordado. Pegou o trocadilho?

No primeiro balbuciar do pequeno Wolf, lá pelas cinco, cinco e meia da matina, lá vou eu. Sorrindo ao me ver, aparecendo pela porta do quarto, parece que sou transportado para um ambiente muito parecido com o que os Oompa-Loompas vivem dentro da “Fantástica Fábrica de chocolates”. Não tem como manter o mal humor, falta de energia e de paciência que a privação do sono nos proporciona.

Impressionante como aqueles minutinhos a mais na cama são logo supridos pelo amor incondicional.

Lá vamos nós, todo dia a mesma coisa: tira do berço, dá aquela fungada, meio que Felícia, querendo esmagar o indivíduo. Troca fralda, leva pra sala e brincamos no chão de cimento queimado forrado com um tapete fofinho de borracha que dá vontade de morder de tão fofo.

Deixo Wolf no tapete, muito bem escorado por três almofadas, como um para-choque. Na cozinha reparto o comprimido de vinte mg em quatro partes iguais e numa matemática aparentemente fácil, mas para quem tem os dois pés em humanas é bem complexo, dissolvo três quartos num pouquinho de água para numa seringa despejar na boca do pequeno.

Não são nem seis horas ainda parece que já corri uma maratona.

Pego o rapaz no colo e lá vamos nós para a cozinha encher a garrafa elétrica de água, e enquanto esperamos ferver observamos o trem passando pela janela. O maquinista buzina como quem quer acordar todo mundo. Meio que “se eu não durmo, ninguém dorme”, a semelhança com Wolf é nítida.

Com ele num braço abro o armário, pego o frasco de café, passo pra mão que segura ele, pego agora o filtro, o porta filtro. Abro o porta café, dou uma fungada, coloco no nariz dele para entender, e quem sabe no futuro isso lhe gerar memórias afetivas de pai e filho, de um período de sua vida. Óbvio que não penso nisso. Faço.

Água está fervendo, já fiz os 3 ovos na frigideira para a mamãe que logo mais acorda com a nossa mais velha, Maya de quase três anos, gritando: “Maiêeeeeee”, ou “Paiêeeee”.

Não sei qual cheiro me desperta mais: do meu moleque e suas madeixas, que são bem grandes para sua idade, ou do café que sobe em fumacinha como que de desenho animado. Faço movimentos com a mão abanando, trazendo para nós as fumacinhas que saem. A cafeína nos envolve, estamos bem acordados, sem ao menos ter tomado. No caso eu, porque de acordo com minha avó criança não pode tomar café preto. Seguimos assim, nossos avós eram os maiores influenciadores.

Mamãe acorda, Maya está pedindo para a Alexa, ou na língua dela: “Aleca, play Moana”. Sirvo os ovos, a caneca de café com leite de amêndoas e adoçante pra Vivi. Pra Maya uma melancia cortada em pedaços, e pra mim apenas café. Preto, puro, sem açúcar ou adoçante.

O dia nem começou ainda. Na minha caneca impressa uma foto dos meus dois filhos bebo o café e penso como gosto de café com eles, esse caos. Como diria a música do Rei Leão: O ciclo sem fim.

Compartihe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin

Vamos nos Conectar!

Todos os direitos reservados. Copyright © 2022